Doutora Mariana Maldonado

Espaço Mulher

Esse é um espaço feito para quem quer saber mais sobre saúde, relacionamento e intimidade. Os assuntos estão agrupados por temas para facilitar a sua procura. Aqui você estará sempre bem informado! Palavra de mulher!

Assinatura

Ponha seu email no campo abaixo para receber as novidades do site:

feed

Ou assine meu RSS!

HPV: Mitos e Realidade

Publicado no dia 20 de janeiro de 2005   Temas: Artigos, DSTs / Aids

Recentemente, vimos voltar às manchetes dos principais jornais e revistas um velho conhecido, o vírus HPV. Esta é a sigla em inglês de papiloma vírus humano, conhecido como causador das verrugas genitais e principalmente, do câncer de colo de útero. Sua principal forma de transmissão é a relação sexual sem proteção com a pessoa contaminada, sendo considerada a doença viral sexualmente transmissível mais freqüente no mundo todo. Estima-se que até 70% das mulheres sexualmente ativas serão infectadas pelo HPV em algum momento de suas vidas. O vírus é responsável por cerca de 500 mil casos de câncer de colo de útero em todo o mundo. No Brasil, o câncer de colo de útero é uma das principais causas de morte entre as mulheres, principalmente na região Norte e Nordeste.

Até agora, foram descobertos mais de 100 subtipos diferentes capazes de infectar os seres humanos, identificados por números (subtipo 6, 11, 16, 18, 31, 34 e etc) e divididos em 2 grupos: os mais agressivos, com maior potencial para o desenvolvimento do câncer (os tipos mais freqüentes deste grupo são o HPV 16 e 18) e os de maior potencial para causar lesões benignas, como as verrugas genitais (tipos 6 e 11), principalmente, na região genital e anal de homens e mulheres. É importante ressaltar que a presença de qualquer uma destas lesões aumenta o risco de contaminação pelo HIV.

O período de incubação do vírus (o tempo que leva entre a infecção e o aparecimento da lesão) permanece indeterminado, podendo durar meses ou até anos. É perfeitamente possível desenvolver uma lesão atual mesmo que a contaminação tenha sido há muitos anos. Portanto, fica praticamente impossível determinar quem é o responsável pela contaminação do/a parceiro/a ou a época exata da contaminação. Esta informação é fundamental, pois o HPV tem sido motivo de discórdia e desconfiança entre muitos casais.

Nos últimos anos, muito tem sido falado sobre o HPV e o risco de câncer. Não existem dúvidas que o HPV está presente em 100% dos casos de câncer de colo de útero e que também está relacionado ao câncer de pênis e de intestino. Entretanto, o fato de estar contaminado pelo vírus não significa necessariamente que o câncer se desenvolverá. A realidade é que menos de 3% das mulheres contaminadas desenvolve o câncer de colo útero. Na maioria das vezes, a infecção é transitória e o corpo saudável desenvolve mecanismos de defesa contra o vírus (os anticorpos) eliminando-o completamente do organismo em aproximadamente um ano após a infecção.

Todos os tratamentos disponíveis até o momento são direcionados para a remoção das lesões produzidas pelo vírus ou para reforçar o sistema imunológico da pessoa contaminada. Ainda não existe um tratamento específico para eliminar o HPV do corpo. Está sendo desenvolvida uma nova vacina contra o vírus capaz de evitar a contaminação pelos subtipos mais freqüentes (6, 11, 16 e 18) em até 90% dos casos.

A forma mais barata e eficaz de detectar a presença do HPV ainda é a realização do exame preventivo. Toda mulher que já iniciou a vida sexual deve realizar seu exame preventivo com o/a ginecologista, no mínimo, uma vez por ano. E lembre-se: use sempre a camisinha em todas as relações sexuais!

39 comentários

  • jurema disse:

    Ouço sempre o seu programa na rádio Tupi am e no meu último preventivo foi detectada uma infecção por HPV. Fiquei super assustda já que há 4 anos não tinha vida sexual ativa e depois fiquei sabendo que isso é normal ocorrer em tempos passados. Não sinto nada, não tenho verrugas e nem corrimentos. Meu médico receitou uns óvulos vaginais para serem usados em dias intercalados e me pediu uma colposcopia com biópsia. Fiquei triste pois tenho 37 anos e penso em me relacionar de novo, mas ele me tranquilizou e dise que tudo seria resolvido. Um abraço

  • LUANA disse:

    Parabéns pelo trabalho… fiz uma CAF em dezembro, depois fiz a colposcopia e foi ainda foi constatado o hpv no colo do útero… fiz tb o PCR e acusou hpv 16. O que fazer? Não quero mais fazer nenhuma cirurgia, o que eu quero mesmo é engravidar… me ajude!

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    Oi Luana,
    Depois da CAF é preciso esperar um tempo até que as lesões provocadas pelo HPV sumam do colo do útero. Durante esse período, de no mínimo 1 ano, vc deverá ser acompanhada pelo ginecologista e fazer exames preventivos a cada 4 meses de controle. O fato do HPV ter sido detectado pelo PCR não significa que ele trará problemas novamente. Converse direitinho com o seu médico para ter todas as informações necessárias, ok?

  • Márcia Alves da Silva Maia disse:

    Não ouço o seu programa sempre porque tabalho domingo também, mas meu marido escuta todos os domingo e elogia muito. A minha pergunta é: HPV é o mesmo que NIC1? Tem cura? me ajude!

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    Olá Marcia,
    NIC 1 é uma das lesões provocadas pelo HPV no colo do útero. Não existe remédio para combate-lo, mas vc deve fazer outros exames como a colposcopia e a biópsia e depois o um acompanhamento rigoroso com o ginecologista, ok?

  • Tatiana disse:

    Uma vez com hpv, sempre com HPV??

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    Não necessariamente, Tatiana. A grande maiora das infecções pelo HPV são transitórias, ou seja, a pessoa se contamina e se cura sozinha. Em outros casos, o HPV pode ficar encubado no corpo, só esperando a hora de aparecer…o mais importante é se cuidar, por isso o preventivo é fundamental, ok?

  • Tânia disse:

    Dra.Mariana, meu filho é homossexual e contraiu o vírus HPV, ele tem 21 anos. Qual o tratamento e que especialista procurar?

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    O tratamento depende do tipo de lesão que o HPV está provocando, Tânia. Para saber qual o mais indicado é necessário que seu filho procure o Urologista para ser examinado, ok?

  • jussara disse:

    Eu sou transplantada renal há 10 anos e durante um periodo tive hpv. Tratei, voltei a fazer hemodialise e ele sumiu Corro o risco de ser ainda portadora deste vírus?

  • Drica disse:

    Há uns doze anos atrás, a ginecologista falou que eu tinha o vírus HPV, porém não lembro do tipo de exame feito na época. Vou ao médico uma vez por ano certinho e sempre falam que o HPV não se manifestou. Devo fazer um exame mais rigoroso? Pois namoro há dois anos e rolou sem camisinha, ele não fez o exame, porém por trabalhar em hospital diz que sabe estar infectado, é isso mesmo?

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    O HPV pode continuar em vc sem ter nada a ver com a sua condição, Jussara. Também pode sumir, isso depende só do seu corpo, ok?

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    Olá Drica,
    O fato dele trabalhar no hospital não significa que ele tenha se contaminado lá. O HPV é transmitido através do contato direto com a lesão, e a forma mais comum de transmissão é a sexual. Ter o não ter não é o problema, o principal é saber se ele se manifesta e aí é o exame preventivo que detecta, ok?

  • Aline disse:

    Eu tive HPV e o médico removeu as lesões, mas elas podem aparecer novamente né?? Quero saber se as lesões podem aparecer e sumir mesmo que não se faça nada. Pode, Dra? Obrigada!

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    Podem sim, Aline
    As verrugas do HPV podem aparecem e sumir espontaneamente, mas tb podem aumentar de tamanho e em número. Por isso é importante estar sempre atenta e visitar o médico periodicamente, ok?

  • Maria disse:

    Há uns dez anos atrás descobri que tinha hpv, fiz uso de alguns medicamentos e desde então não houve mais a manisfestação do vírus. Gostaria de saber se a transmissão pelo ato sexual só ocorre através do contato com as lesões.

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    Sim, Maria, mas o problema é que nem todas as pessoas que tem o vírus apresentam uma lesão visível. Muitas tem o vírus em atividade mas com uma lesão subclinica, ou seja, ela está lá, mas não dá para ver. Por isso, a melhor forma dde se proteger é usando a camisinha em todas as relações sexuais, ok?

  • Andréa disse:

    Dra. sou mãe e minha filha, acabei de buscar o exame no laboratório deu cervicite crônica com metaplasia escamosa do epitélio colunar no anátomo patológico e no papanicolau deu lesão intraepitelial de baixo grau. Estou desesperada, me oriente. Minha filha corre risco de vida Dra? Pelo amor de Deus estou desesperada.

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    Andréa,
    As lesões de baixo grau são provocadas pelo HPV. Não trazem risco de vida para a mulher, mas quem tem deve fazer os exames necessários para confirmar, tratar e depois continuar acompanhando, ok?

  • Jéssica disse:

    Queria lhe parabenizar pelo seu blog…. pois já fiz cauterização por causa do HPV e não queria passar por isso de novo!!! É muito doloroso…. Gostaria de saber se há chances de passar pro bebê???? E quais os riscos se eu engravidar???

  • Teresinha disse:

    Prezada Dra. Mariana, minha filha tem 18 anos e teve a primeira relação sexual em outubro/09. Em dezembro ela descobriu umas bolinhas na região perianal, levei no ginecologista e confirmou HPV com NIC I, agora eu pergunto: É possivel ter esse diagnóstico em tão pouco tempo de contato com o virus? Estou achando que ela teve relação sexual bem antes de outubro.

  • luana disse:

    Oi, bom dia! Eu queria saber se tem como eu me curar definitivamente do HPV? Só tenho 18 anos e a minha medica não deu nenhum medicamento, só tirou as verrugas… e uma delas voltou hoje! Quero muito me tratar! Obrigada !

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    Jéssica,
    Pelo o que se sabe até o momento, o risco maior de trasmissão do HPV para o bebê é no momento do parto, se a mãe tiver com lesões ativas ou seja, com verrugas na vagina. Ainda não é possível comprovar se o HPV consegue passar pela placenta durante a gravidez e afetar o bebê, ok?

  • aline disse:

    Dra. tenho lesões de baixo grau do hpv na parede da vagina. A médica disse que é uma lesão muito pequena. Corro risco de desenvolver câncer? Uso uma pomada todo mês para aumentar a imunidade local. É necessário eu tomar a vacina para me proteger? Grata pela atenção e parabéns pelo site, é ótimo!

  • aline disse:

    Boa Noite! Existe algum medicamento fitoterápico ou homeopático para auxiliar no tratamento para hpv? Grata!

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    É possível sim, Teresinha. Alguns estudos mostram que o HPV pode dar sinais logo nos primeiros 3 meses após o contato, ok?

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    Não há nenhum remédio que te cure do HPV definitivamente, Luana. Isso depende do seu sistema imunológico, ou seja, das suas defesas. O tratamento é feito nas lesões que o vírus provoca, como a retirada das verrugas, por exemplo. Na homeopatia vc pode encontrar uma chance de aumentar suas defesas e tentar se curar. Mas não esqueça que se não usar camisinha vc pode se contaminar novamente, ok?

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    O risco de câncer em uma lesão de baixo grau é pequeno mas existe, Aline. Por isso é fundamental fazer o seu acompanhamento com a médica. Quanto a vacina, ela não terá efeito no seu problema atual, mas pode prevenir de uma nova contaminação no futuro, ok?

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    Existe sim, Aline, mas isso só mesmo o médico homeopata para te prescrever, ok?

  • Elvira disse:

    Olá Drª, gostaria de uma segunda opnião, tive HPV há algum tempo e fiquei boa, mas esse ano fui ao médico e descobri que está novamente manifestado, o médico me disse que é do tipo B e que não restaria nada a fazer a não ser esperar virar um câncer para ser tratado e que seria muito difícil eu engravidar… Estou meio desesperada, pois foi um baque e eu também não sabia desse tipo B do HPV.. Desde já agradeço e aguardo resposta…

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    Realmente vc tem todos os motivos para ficar desesperada com uma informação ABSURDA dessas Elvira! Dizer que o que te resta é esperar o desenvolvimento de uma câncer é DEMAIS!!! Minha sugestão é que vc reúna todos os exames que já fez e procure pessoalmente uma segunda opinião, ok?

  • Daniele disse:

    Dra, as recidivas das lesões do HPV geralmente ocorrem devido a baixa imunidade?

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    Essa é uma das razões, Daniele, mas elas também podem reaparecer se você for novamente contaminada por outro tipo dele, ok?

  • joana disse:

    Olá! Tenho NIC 1. Posso ter NIC no reto ou no intestino? Como posso prevenir? Obrigada!

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    Olá Joana,
    NIC é a sigla para Neoplasia Intraepitelial Cervical. Ela é um exemplo das inúmeras alterações que o HPV pode causar no corpo da mulher, no caso específico das NIC, alterações no colo do útero. O HPV também pode provocar alterações em outros locais como a vagina (VAIN), vulva (NIV), reto ou intestino. A melhor forma de prevenir é usando mesmo a camisinha em todas as relações sexuais, ok?

  • Ana disse:

    Olá Drª.
    Gostaria de saber mais sobre NIC 2, remédios para aumentar a imunidade e se o uso de medicamento local ajuda no tratamento sem haver necessidade de cirurgias? Grata pelas informações.

  • Karoline disse:

    Bom dia Dra, o HPV também passa pelo sexo oral?

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    Olá Ana,
    A NIC 2 é uma das lesões que o HPV pode causar no colo do útero. Em escala de gravidade, essa é uma lesão moderada, portanto precisa ser retirada. Medicamentos locais e orais que estimulem a imunidade tem valor limitado nesses casos. Nessa situação é melhor retirar a área com problema e tratar depois para evitar que ela volte, ok?

  • Dra. Mariana Maldonado disse:

    Passa sim Karoline,
    O HPV é transmitido através do contato direto com a lesão. Se a pessoa que estiver recebendo o sexo oral tiver HPV ele pode passar para quem está fazendo e vice-versa, ok?

Deixe seu Comentário!

Comentário

design: Hungry Mind